Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]
Santa Luzia Empresas - Se guia Comercial Luziense
Email: Senha:    
 
     
Esqueceu a senha??
Você esta em: Home » $title » Danos-ao-consumidor-em-pacto-com-setor-imobiliario.html


Home

Danos ao consumidor em pacto com setor imobiliário

Oferta de imóveis desocupados só tem crescido com a crise.
Oferta de imóveis desocupados só tem desenvolvido com a crise.

Por conta de prejuízos ao consumidor no pacto que a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) fez com o setor de incorporação imobiliária a Associação Nacional do Ministério Púbico do Consumidor se recusou a assiná-lo.

A situação dos consumidores que compraram imóveis na vegetal e tentam se desfazer dos contratos, no chamado de distrato, ficará mais difícil com o concordância, pois há desrespeito à jurisprudência dos tribunais. Até agora o entendimento era que o consumidor, de negócio com o 53 do Código de Defesa do Consumidor não poderia perder tudo o que pagou.

Nos novos contratos, caso de desistência da compra, haverá previsão de multa fixa de até 10% sobre o preço do imóvel, além de perda integral do sinal e de até 20% dos demais valores pagos pelo comprador. E a incorporadora terá seis meses para repor os valores a serem ressarcidos, a não ser que a revenda da unidade ocorra antes disso. Ou seja, atende-se os interesses do setor imobiliário,sem levar conta que o consumidor é a secção vulnerável nessa relação de consumo.

Pretendem preestabelecer os custos no caso de cobrança extrajudicial e judicial, 10% e 20%, respectivamente, sobre o valor totalidade do débito. Isso caracteriza-se uma situação que coloca o consumidor desvantagem exagerada, assim porquê tira a opção de reembolso da quantia paga ao consumidor (artigos 51, II e IV, do CDC).

Também querem “legitimar” a cobrança do condomínio antes da entrega das chaves, o que é totalmente contrários aos direitos do consumidor. Ou seja, perdas e mais perdas.

Agora pelo pacto firmado foi legitimada a taxa de corretagem, quando ela somente seria cabível nas hipóteses que existe de traje um trabalho desenvolvido pelo Corretor de Imóveis, quando esse é procurado pelo consumidor. Ou seja, não naquelas situações que o consumidor simplesmente comparece ao stand de vendas da presa, pois nessa situação não há que se falar no trabalho desenvolvido pelo corretor.

Nossa esperança é que MPCON possa ajuizar ação para barrar o concórdia de abrangência pátrio, assinado no Tribunal de Justiça do Rio, que a Senacon, do Ministério da Justiça, representou (?) os consumidores.

Fonte:Maria Inês Dolci


Todos os direitos Reservados   © - 2022| Hospedado em: Hospedeme  Rss Facebook Siga-me no Twitter You Tube
Desenvolvimento F7 Sistemas
Pinterest